segunda-feira, 31 de outubro de 2011

ONG maRSeguro realiza a primeira capacitação de voluntários

No domingo, 30 de outubro ocorreu a 1º capacitação de voluntários da ONG MARSEGURO. O evento, que reuniu 35 voluntários foi realizado em Canoas, na sede da ONG e contou com a presença de Guiga Narcizo, colaborador do Vida Urgente, que conversou com os presentes e apresentou dicas de abordagens. A capacitação visa preparar os voluntários para o evento de homenagem de um ano de falecimento de Thiago Rufatto, surfista e filho da presidente da ONG, que morreu por afogamento ao ficar enroscado em uma rede de pesca em novembro do ano passado. Thiago foi a 49º vítima, que perdeu a vida por ficar preso a uma rede de pesca desde 1983. A homenagem, que será realizada no dia 5 de novembro, às 11h na plataforma da praia de Atlântica visa também chamar a atenção da sociedade para a causa e os objetivos da ONG, que desde 2010 luta por segurança no mar gaúcho.

Foto: Ana Maria Boeira

A presidente da instituição, Neuza Rufatto realizou a abertura da capacitação e ao agradecer os voluntários emocionou a todos com suas palavras: “A presença de vocês é muito importante pra nós que perderemos nossos filhos desta forma tão trágica. Eu sei que nada trará meu filho de volta, mas se através da ONG nós conseguirmos evitar que mais famílias passem por essa dor eu saberei que nosso trabalho valeu a pena”.

Para as homenagens do dia 5, a ONG está preparando atividades como uma roda de surfistas, amigos de Thiago, que entrarão no mar com suas pranchas portando rosas brancas para chamar a atenção para a morte trágica do surfista, após haverá um show da banda de Reggae Instinto Roots, de Canoas, e os voluntários realizarão abordagens divulgando o trabalho da ONG.

“Quando há uma conscientização maior das pessoas, mais rápido ocorrem as mudanças”, afirma Felipe Longhi Malheiro do Conselho deliberativo da MARSEGURO ao ressaltar a importância da colaboração de todos. “Já alcançamos algumas mudanças significativas, mas há um longo caminho a ser percorrido”, complementa Neuza.

Sobre a ONG

O Instituto Thiago Rufatto foi criado em dezembro de 2010, por Neuza Martins Rufatto, que após a morte de seu filho, decidiu mobilizar a sociedade para evitar que mais familiares passem pela mesma dor.
Thiago Rufatto perdeu a vida no dia 1º de novembro quando surfava na praia de Capão da Canoa. O surfista ficou preso em um cabo de pesca de rede fixa numa área própria para a prática do surf e imprópria para a pesca.

O Instituto Thiago Rufatto reivindica por segurança, sinalização e demarcação das áreas de banhistas, pescadores e surfistas nas praias gaúchas, salva-vidas em todos os períodos do ano, estrutura de atendimento e socorro eficientes e qualidade nos hospitais do litoral. Além disso, luta pela qualificação do trabalho dos pescadores, para que seja proibida a pesca através de cabo de rede, visto que o apenas no Rio Grande do Sul este tipo de pesca é legalizado.

Objetivos
Cumprimento e fiscalização das Leis referentes à demarcação das áreas de pesca, lazer ou recreação na orla;
-  Substituição da pesca com redes de cabo fixo no Rio Grande do Sul por alternativas mais seguras e rentáveis.
-  Presença efetiva de salva-vidas capacitados e bem equipados, durante o ano inteiro, de maneira estratégica.
-  Aumento da estrutura de atendimento, socorro eficiente e qualidade nos hospitais do litoral;
-  Conscientização de banhistas e praticantes de esportes quanto aos cuidados no mar gaúcho. 

Texto de: Kamile Heineck
Voluntária ONG MARSEGURO

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

sábado, 8 de outubro de 2011

Preserve a Vida no Litoral

Na última quinta-feira, dia 06 de Outubro, integrantes do Instituto Thiago Rufatto acompanharam o lançamento da campanha "Preserve a vida no litoral". Iniciativa essa do Comando Ambiental da Brigada Militar (CABM). Essa campanha visa solucionar os problemas que ocorrem entre praticantes de esportes aquáticos e pescadores.

Foto: Tiago Cardoso
 O texto abaixo foi retirado direto do site da CABM, com informações importantes sobre a campanha

"O evento, na Câmara de Vereadores do município de Tramandaí, reuniu o comando-geral da Brigada Militar; os comandos Ambiental, de Bombeiros e do Policiamento Ostensivo do Litoral (CRPO Litoral); representações das secretarias estaduais da Segurança Pública, da Justiça e Direitos Humanos e do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo; da secretarias municipais de pesca, agricultura, meio ambiente e assistência social do Litoral Norte; vereadores e entidades de pesca e surf da região, além da ONG Mar Seguro.


Foto: Assessoria de imprensa da câmara de vereadores
O comandante-geral da Brigada Militar, coronel Sérgio Roberto de Abreu, fez o lançamento da campanha afirmando que a Corporação almeja estatística zero para situações que atentem contra a vida das pessoas.”Queremos que o Litoral seja lembrado pela celebração da vida e, dentro da política de atuação que a Brigada Militar vem desenvolvendo, com ações focadas na segurança do ser humano, a Corporação, por meio de seus Comandos, une forças com as comunidades, prefeituras, ONGs e entidades representativas da pesca e do surf para buscar a prevenção de acidentes e a preservação da vida”, declarou o coronel Sérgio. Ele entregou ao secretário adjunto da Justiça e Direitos Humanos, Miguel Velasquez, projeto para a aquisição de viaturas e jet ski destinadas ao policiamento ambiental.


Foto: Tiago Cardoso
O comandante do Comando Ambiental da Brigada Militar (CABM), tenente-coronel Ângelo Vieira da Silva, entregou ao comandante-geral o relatório realizado no último mês de setembro com o mapeamento das áreas delimitadas para pesca e surf e os pontos sem sinalização entre Torres e Mostardas. O documento está à disposição dos interessados na sede do 1º Batalhão Ambiental, em Xangri-lá. O comandante-geral da BM ainda recebeu a minuta para um decreto com o fim de padronizar a sinalização das áreas de pesca, surf e recreação, instituir sistema efetivo de controle, monitoramento e fiscalização, além de especificar as sanções e penalidades administrativas para os casos de descumprimento das regras, visando disciplinar os locais demarcados e garantir a segurança dos frequentadores da orla. “O mar é um bem comum de todos e buscamos estabelecer um fórum de debates para conjugar os interesses de todos os usos da orla marítima e minimizar conflitos”, destacou o tenente-coronel Ângelo."



Durante a apresentação da campanha, foram citadas diversas vezes que o surf no Rio Grande do Sul é somente para o lazer e a pesca é profissional, mas esta colocação está errada. Atualmente existem diversos surfistas profissionais no Rio Grande do Sul, e com certeza poderiam haver muito mais se houvesse mais interesse, por parte das autoridades, em cuidar do nosso litoral, em valorizar esse esporte que além de tudo, gera inclusão social, turismo e consequentemente riquezas para o nosso litoral.